Gente que compartilha, Histórias que Emocionam

Ser ou não ser mãe?

Ser ou não ser mãe por Bárbara Vitoriano publicado originalmente no blog Sou mãe! E agora?

Antes de entrar no assunto, queria deixar bem claro que não sou a favor de qualquer tipo de imposição por parte da sociedade ou de quem quer que seja na escolha da mulher de ser ou não mãe. Esta é uma escolha para a vida toda e que envolve centenas de aspectos e concordo que deve ser uma escolha pensada e planejada.

Mas eu não poderia deixar de colocar um pouco da minha história. Quem sabe ela pode ser útil para alguma mulher que esteja pensando seriamente nesta decisão.

Minha gravidez não foi planejada. Engravidei quando tinha 22 anos. E para falar a verdade ter um filho não estava nos meus planos pelo menos nos próximos 10. Meus planos eram outros. Queria terminar a faculdade, passar em um concurso público. Desejava viajar, conhecer outros países. Queria ir para  o Egito, Grécia e Itália. Queria também falar fluentemente o inglês. Comprar casa e carro também eram meus planos antes de ter filhos. Naquela época, eu gostava de dançar, de praia e cinema. Não perdia um só lançamento.  Queria escrever um livro. Amava ler, e o tempo dedicado à leitura era sagrado pra mim. Gostava de estar só muitas vezes, de meditar e refletir sobre a vida.

De repente eu me vi com com um exame  positivo de gravidez nas mãos. A primeira coisa que veio na minha mente foi: E agora? E meus sonhos? E planos? Aquela não era hora de ser mãe. Mas passando aquele primeiro susto da descoberta, a alegria foi invadindo. E mesmo com um certo pesar, por acreditar naquele momento, que eu tinha colocado tudo a perder, eu comecei a sentir uma imensa felicidade.

Quando a segurei nos braços pela primeira vez, eu senti algo que jamais imaginei que poderia existir. Um clímax de alegria. A partir dali entendi o que é ser mãe e entendi principalmente que sim, aquele era o momento certo de ser.

De lá pra cá, tudo na minha vida mudou. Lembra daqueles sonhos e projetos? Pois é, não realizei a maioria ainda. Sim ainda! Minha filha não foi o impedimento que pensei, ela é o gás, o combustível para eu correr atrás deles. E hoje, sonho tudo com ela. Claro que agora não tenho mais meu tempo sagrado de leitura, não vou ao cinema sempre e raramente saio para dançar. Dependo de muita gente para realizar minhas atividades diárias. Mas isso não é nada diante da imensa alegria que sinto por ela existir! E quando quero me divertir, tenho uma excelente companhia.

A maternidade não é um mar de rosas o tempo todo. Não é como na TV, filmes ou comerciais de margarina. É muito, é muito além de criar um filho. Problemas, dificuldades, desafios, sufoco. Seria muito mais fácil pra mim hoje trabalhar e estudar sem ter que chegar em casa e dar banho, janta, brincar, colocar para dormir, arrumar mochila. Seria muito mais fácil, guardar todo o meu dinheiro e investir em mim, na minha carreira. Mas é o amor que sinto? E as mudanças e valores que conquistei como pessoa?

Minha filha me ensinou mais coisas em poucos anos de vida do que aprendi em 22 de existência. Ela me ensinou  a entender melhor minha mãe, a amar incondicionalmente, a ser mais paciente, mais tolerante, a me doar sem desejar nada em troca. Me ensinou a não desanimar, a não ficar triste por pequenas coisas. Me ensinou que meus problemas são pequenos e principalmente que tudo isso é maravilhoso.

Hoje, quero ter outro filho. Quero passar por tudo de novo, enjoos, engordar, dor, parto, quero abrir mão de novo de muitas coisas, quero ficar dias sem dormir, trocar minha vida social por tardes vendo Galinha Pintadinha por dezena de vezes seguidas. Sim quero tudo de novo, a alegria de sentir um filho mexer em minha barriga, a maravilhosa sensação de amamentar, quero beijos banguelas, quero mãos macias me acariciando e vozes finas me chamando.

Eu sou mãe! E foi a melhor coisa que me aconteceu!

PS: Esse texto foi escrito em 2011, na época eu só tinha a Júlia. 🙂

Sobre o Autor:

Do site:



No Comments

Leave a Reply