Gente que inspira

Mãe desenvolve brinquedos que incentivam a educação emocional das crianças

Os produtos tem como inspiração o seu filho, diagnosticado com autismo

O termo disruptivo engloba tudo aquilo que veio para mudar um conceito, e desenvolve uma inovação. Pensando nisso, a Teraplay nasceu da falta de brinquedos terapêuticos específicos paraautistas no Brasil. “Logo aprendi que uma das grandes dificuldades dos autistas é o reconhecimento das emoções, as próprias e as das outras pessoas, bem como muitas vezes falham na elaboração de uma resposta socialmente adequada. Aliás, essa é dificuldade comum a muitas crianças, estando elas no espectro ou não. Então, desenvolvi a ideia de uma pulseira de silicone que poderia ajudar as crianças a reconhecerem as emoções com mais clareza”, afirma a empresária Cristiane Carvalho.

A partir da pulseira das emoções, outros produtos foram chamando a atenção da escritora e conquistando pais e mães. “Mas aí pensei: porque não disponibilizar para outras pessoas produtos que tem me ajudado muito? Então, com a certeza de que muitos se beneficiarão, decidi incluir alguns itens que não são produzidos por mim, mas que foram testados e aprovados por nós: cadarços e mordedores de silicone”, observa Cristiane.

Conforme outras necessidades passaram a ser observadas, Cristiane criou mais dois braceletes. O bracelete relax, é útil para fornecer dicas visuais quando se precisa recobrar a calma e a tranquilidade. De um lado, possui os números de 1 a 10 em alto relevo. A ideia é ir passando os dedos pelas bolinhas dos números como se fossem contas. O relevo, a cor azul e a numeração ajudam a manter o foco e a controlar a respiração, sendo um ótimo instrumento para ser utilizado em momentos de ansiedade, medo, frustração e raiva. O outro lado possui o desenho de 3 flores e 6 velas. “As imagens simples e sugestivas ajudam a lembrar e a exercitar uma respiração que acalme e tranquilize o corpo e a mente. Baseia-se no exercício simples de se cheirar a flor (para a inspiração) e assoprar a vela (para a expiração), sempre de forma lenta e atenta, afirma a fundadora da Teraplay. Outro produto, da mesma linha de braceletes é o “Bracelete Tudo Bem”, essa opção é bastante intuitiva, já que no verde a criança pode indicar que está tudo ok e quando ela precisar de um tempo, ela pode indicar no verso vermelho. Cristiane ainda acrescenta que ele também pode ser usado em casos de desregulação, “Essa indicação clara, discreta e não agressiva, comunica à criança ou adolescente que algo não está indo bem e que ele(a) precisa fazer algo para voltar a ficar tranquilo”, conclui a empreendedora.

Cristiane criou um jogo das emoções, composto por 5 dados com faces diferentes e super criativas que ajudam no reconhecimento das emoções nas expressões faciais. Eles podem ser usados em momentos como a espera de um restaurante ou em um momento de descontração. “É ideal trabalhar as emoções com frequência, estimulando para que esse tipo reconhecimento se torne um hábito. São sutilezas que despertam sentimentos importantes na infância e na vida adulta, como a gentileza e a empatia, por exemplo”, explica Cristiane Carvalho.

Atualmente, Cristiane já tem três livros sobre saúde emocional publicados. O primeiro, “Faísca explica: as emoções” fala sobre cada um dos sentimentos e sensações, tudo isso explicado por um cachorrinho muito esperto, o Faísca. Já a segunda história, o livro “Faísca explica: quando é bom pedir um tempo” conta a história de quando o Gui, melhor amigo do Faísca ficou muito ansioso com a sua festa e precisava de um tempo para respirar e repor as energias. O terceiro livro, “Quase tudo sobre mim”, proporciona as crianças uma viagem nas emoções e no auto conhecimento – o livro é indicado para crianças acima dos seis anos, já que é necessário escrever. Além disso, a obra acompanha uma cartela de emojis para ajudar nos desenhos e na confecção da sua própria história.

Além das divertidas histórias do Faísca, os dois livros dele contam com o apoio de um manual para os pais, responsáveis e cuidadores sobre como aproveitar ainda mais as informações e como explorar melhor as emoções das crianças. “Nos manuais contei com a colaboração de um psicólogo infantil, Renato Gallo. O objetivo é simplificar e proporcionar aos pais informações complementares aos livros”, explica Cristiane.

Essa ideia chamou bastante atenção de professores, psicólogos e pedagogos, que viram nos produtos a possibilidade de inclui-los como facilitadores durante as terapias. Hoje a Teraplay conta com mais de 20 produtos que incentivam os pais a trabalharem a educação emocional com os seus filhos.

Sobre o Autor:

Do site:



No Comments

Leave a Reply