Gente que esclarece, Maternagem

Descubra 10 alimentos que auxiliam no aumento da produção de leite

Por Lorena Oliveira

Várias mães se preocupam com a produção de leite materno, se realmente estão produzindo leite o suficiente. Isso porque podem sentir que o leite está diminuindo, ou o seu bebê não está ficando satisfeito. Contudo, há maneiras confiáveis de estimular a produção de leite por meio da alimentação.

Leite materno: por que é tão importante?

O leite materno é muito mais do que uma opção de alimentação para o bebê. A amamentação é o primeiro direito do recém-nascido e é preconizado pelo Ministério da Saúde que os bebês recebam esse alimento de forma exclusiva durante os primeiros seis meses de vida.

De acordo com dados do Fundo das Nações Unidas para a Infância, órgão vinculado à UNICEF, as crianças que recebem o leite materno têm, aproximadamente, seis vezes mais chance de sobreviver nos primeiros meses do que as crianças não-amamentadas. O leite materno mune o bebê com todos os nutrientes, vitaminas e minerais que precisa para o seu desenvolvimento durante os primeiros meses.

Será que eu tenho leite o suficiente?

Essa é uma dúvida comum entre as mães de primeira viagem. Vários acontecimentos podem provocar uma baixa oferta de leite durante a amamentação. Entre eles, está o fato de esperar muito tempo para iniciar a amamentação, não amamentar com frequência e ainda a utilização de alguns medicamentos.

Entretanto, a melhor maneira de saber se você produz leite o suficiente é buscando orientação dos profissionais de saúde, em principal, do médico pediatra, que irá ponderar a saúde da criança.

Alimentos e produção de leite materno

Se você observa que a sua produção de leite materno reduziu, busque conversar com o seu médico para ver qual foi o agente causador. Porém, você pode se auto ajudar, consumindo determinados alimentos que instigam a lactação, além de ingerir muita água.

Sementes de feno-grego: Um dos alimentos mais antigos para o aumento da produção de leite materno.

Sementes de erva-doce: Podem estimular a lactação. Além disso, auxiliam na prevenção de cólica em seu bebê.

Alho: Entre suas muitas propriedades curativas, está a do aumento da oferta de leite.

Sementes de cominho: Além de estimular a produção de leite, melhoram a digestão e ajustam alívio da prisão de ventre, acidez e inchaço.

Sementes de gergelim preto: São uma excelente fonte de cálcio, e ajudam a aumentar a produção de leite.

Manjericão: Esta fonte de vitamina K ajuda na produção de leite e tem um efeito calmante, além de promover um apetite saudável.

Sementes de endro: Uma boa fonte de ferro, manganês e cálcio. Melhora a produção de leite, digestão e sono.

Vegetais vermelhos: São ricos em betacaroteno, favorável para o seu bebê durante a amamentação.

Nozes e frutas secas: Amêndoas e castanhas de caju são alimentos muito usados para aumentar a produção de leite.

Aveia: Fonte de ferro, cálcio e fibras, também pode agir em benfeitoria da amamentação.

 O leite humano é muito diferente do leite adaptado (leite em pó).

O leite materno é composto por todas as proteínas, açúcar, gordura, vitaminas e água que o seu bebê precisa para ser saudável. Além disso, é integrado por elementos específicos que o leite em pó não consegue agrupar, tais como anticorpos e glóbulos brancos. É por isso que o leite materno resguarda o bebê de certas doenças e infecções.

A amamentação também colabora para o desenvolvimento emocional do bebê, pois causa uma forte ligação emocional com a mãe, conduzindo-lhe segurança e amor, de maneira a promover, mais adiante, o seu relacionamento interpessoal e, ainda, coopera para o desenvolvimento psicomotor do bebê. O próprio ato de mamar gera uma melhor flexibilidade na articulação das estruturas que estão interligadas à fala e incita também o padrão respiratório nasal do bebê.

Além disso, o leite materno tem o benefício de ser facilmente digerido, muito prático pois está sempre pronto, e econômico, pois não precisa de ter esterilizado, mamadeiras!

Para a mãe também traz inúmeras conveniências tais como uma maior segurança; queima calorias de modo a ser mais simples voltar ao seu peso normal; o útero regressa mais rapidamente ao seu tamanho normal; protege-a da osteoporose, do cancro da mama e do ovário.

Lorena Oliveira é Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Uberlândia, blogueira, apaixonada por obstetrícia e aleitamento materno mas, o melhor de tudo: louca pra viver a maternidade! Escreve no blogdalo.com.br

Sobre o Autor:

Do site:



No Comments

Leave a Reply