Gente que esclarece, Infância

3 hábitos dos pais que têm ótimos relacionamentos com os filhos

O que faz bons pais? Podemos ler um milhão de livros buscando respostas sobre como manter nossas crianças felizes e saudáveis. Mas o que realmente faz com que alguns pais tenham um melhor relacionamento com seus filhos?

Uma das qualidades mais importantes para ter um bom relacionamento com o seu filho é a capacidade de ouvir. As crianças precisam sentir que são vistas e ouvidas. Eles precisam saber que são importantes. As crianças saudáveis crescem em lares que permitem a individualidade e confiança.

Aqui estão 3 hábitos comprovados que fazem pais terem melhores relações com seus filhos:

1.Consciência do estado emocional da criança e uma conexão com ela

 

Dr. John Gottman tem mais de 40 anos de pesquisas sobre relações pai-filho. Ele acredita que, a fim de construir a inteligência emocional de uma criança, o pai tem que ter a capacidade de compreender e gerir os sentimentos da criança de uma forma positiva, para que, eventualmente, a criança possa regular suas próprias emoções. Dr. Gottman diz: “Pais treinados nas emoções reconhecem as expressões de emoções de uma criança como uma oportunidade para a conexão.”

Às vezes, ser consciente dos sentimentos do seu filho pode ser o suficiente. Em outros momentos, pode não ser tão fácil. Crianças mascaram os seus sentimentos através de suas ações às vezes, especialmente se sentem que não estão sendo ouvidas. Por exemplo, elas podem fazer birra por algo, mas a emoção pode ser desencadeada por um evento que aconteceu a elas naquele dia. Emocionalmente, elas não podem identificar o que aconteceu e mostram essas emoções armazenadas de outras maneiras.

Cabe a nós como pais percebermos verdadeiramente e ouvirmos o que elas dizem e fazem. As crianças precisam saber que podem vir até nós a qualquer momento. Elas têm que acreditar que estão acima de tudo. Quando estão seguras nesta consciência, exalam autoconfiança. Mas você não pode criar uma criança confiante, se você mesmo não transmite confiança, porque as crianças prestam atenção nisso.

2.As crianças querem saber que podem tomar suas próprias decisões

Nossa personalidade é entranhada em nós a partir do momento em que nascemos. Nós somos moldados por todas as experiências internas e externas. Nossos filhos aprendem com os seus arredores. Eles estão constantemente capturando tudo à sua volta. Mas, eles precisam sentir que, mesmo quando você lhes diz para fazer alguma coisa, são responsáveis por suas decisões. É por isso que, quando você diz ao seu filho para não tocar no fogão quente, porque vai se machucar, ele ainda pode tocá-lo. Ele aprende através de sua própria experiência. Nossos filhos têm que acreditar que são indivíduos com a capacidade de fazerem o que decidirem, mas que terão que lidar com as consequências. Uma das lições mais valiosas que podemos ensinar aos nossos filhos é a independência desde cedo. Eles também têm que saber que existem boas e más decisões.

Experiências sensoriais começam a desempenhar um papel no desenvolvimento desde o momento do nascimento. Permitir que o seu filho experimente sem julgamento é inestimável. É importante demonstrar o apoio. Não se trata de deixar seu filho fazer tudo o que quiser sem consequências e ações. Trata-se de ensinar-lhe a diferenciar o certo do errado e sempre discutir seu comportamento e ações.

Crianças que são criadas em ambientes saudáveis são mais confiantes e seguras. Elas são capazes de lidar com obstáculos no futuro. Permitir ao seu filho a oportunidade de sentir que pode tomar decisões é saudável e abre um canal de confiança e comunicação com você como pai. O mundo exterior pode ser um bombardeio de sobrecarga para os nossos filhos. Tirar um tempo para ficar com ele em uma base diária por alguns minutos é inestimável na sua educação.

3.Estabelecer limites é importante

Não podemos ceder a todos os desejos de nossos filhos. Dr. Gottman acredita que há maneiras saudáveis de dizer “não” que ajudam a criança a aprender. Se o seu filho quer um brinquedo, mas você não pode comprá-lo para ele, há outra maneira de explicar que não pode além de simplesmente dizer: “Não!” Você pode expressar o quão legal o brinquedo é, e talvez em um momento posterior, pode ser que você posso dá-lo a seu filho. Você pode expressar-lhe que só porque você não pode comprá-lo neste momento, isso não diminui o valor do seu pedido. Esta abordagem é o que lhe permite testemunhar que ele é visto e ouvido. Você não está desvalorizando o seu desejo, mas ajustando-o a realidade de que agora não é possível comprar aquele brinquedo.

Uma criança que recebe atenção, mesmo quando não ganha o que quer, aprende a superar qualquer coisa. Ela reconhece que nem tudo gira em torno dela. Cresce e trabalha para aquilo que ela quer. Nós, como pais, tendemos a ceder à birra e choro porque é mais fácil do que falar com a criança, e fazê-la entender porque ela não pode ter o que quer no momento.

As crianças são inteligentes. Elas aprendem a arte da manipulação rapidamente. Elas sabem que com algumas birras, podem conseguir o que querem. O objetivo é escolher cuidadosamente essas oportunidades para se sentar com seu filho e explicar que esse comportamento não fará ele conseguir o que deseja. Reforço negativo é inaceitável. Crianças respeitam isso. Elas precisam de estrutura e segurança de que os pais são sempre capazes de fornecer um lugar de familiaridade e amor.

Não há um manual de parentalidade para cada criança. O que funciona para uma não vai, necessariamente, funcionar para outra. Mas, a capacidade de falar com o seu filho de uma forma amorosa e carinhosa ajuda a futura relação de ambos. A abertura das linhas de comunicação começa a partir do momento em que seu filho nasce.

“Seus filhos não são seus filhos. Eles são filhos e filhas da vida. Vêm através de vós mas não de vós. E embora estejam com você, não lhe pertencem. Você pode dar-lhe vosso amor, mas não vossos pensamentos, porque eles têm seus próprios pensamentos. Podeis abrigar seus corpos, mas não suas almas, pois suas almas habitam na casa do amanhã, que vós não podeis visitar nem mesmo em seus sonhos. Podeis esforçar-vos para ser como eles, mas não procureis fazê-los como vós. Pois a vida não anda para trás, e não se demora com os dias passados. Vós sois os arcos dos quais vossos filhos, como flechas vivas, são impulsionados. O arqueiro vê a marca no caminho do infinito e vos estica com toda sua força para que suas flechas se projetem rápidas e para longe. Que vosso encurvamento na mão do Arqueiro seja vossa alegria. Pois assim como Ele ama a flecha que voa, Ele ama também o arco que permanece estável.” ~ Kahlil Gibran

Traduzido pela equipe de O SegredoFonte: Power of Positivity

Sobre o Autor:

Da Redação

Do site:



No Comments

Leave a Reply